Segundo uma pesquisa realizada pela ABComm, foi constatado que 82% das lojas virtuais utilizam armazenagem própria, ou seja, estocam em casa, salas comerciais ou em pequenos galpões e com isso sofrem com os períodos sazonais que geram alta demanda como o natal, por exemplo.

Outro dado interessante é que 93% das lojas virtuais entrevistadas utilizam os correios como principal meio de transporte. Sedex e Pac ainda são os preferidos neste quesito. Isso mostra que um salto qualitativo na profissionalização do manuseio e entrega dos produtos, consolidando de vez esta prática em detrimento de entregas com o próprio carro/moto. Apenas deixando claro que falamos aqui das entregas feitas de maneira amadora, pois existem muitas empresas que mantêm uma frota própria e com excelente qualidade, são os casos de entrega no mesmo dia e produtos especiais/perecíveis (joias, flores, alimentos, etc.).

Com relação a transportadoras, houve um grande amadurecimento também, já que a pesquisa mostra que 23% das lojas virtuais utilizam mais de uma transportadora, de acordo com a região de entrega, criando assim, uma tabela de frete própria para cada região do país, reduzindo consideravelmente os custos com transporte.

O frete representa 58% dos custos, seguido por armazenagem (23%) e manuseio (19%). Vale salientar que apesar de ser representativo, os custos de frete nem sempre são pagos pelo lojista, uma vez que a grande maioria cobra pelo frete no ato da venda.

Ainda sobre os custos do frete, 55% das lojas virtuais repassam o custo para os clientes, 30% utilizam uma estratégia chamada de híbrida, ou seja, dividem os custos com os clientes, repassando apenas uma parte dos custos e 15% dos lojistas adotam a política de frete grátis, arcando com todos os custos de envio. Entenda que neste caso trata-se de adotar o frete grátis como política de vendas, independente do valor comprado. Pois existe uma grande parcela das lojas virtuais, algo em torno de 69% que oferecem o frete grátis acima de um valor gasto na loja. Esta política é adotada quando a compra atinge valores entre R$100,00 e R$400,00.

Dentre os principais problemas enfrentados por lojistas de e-commerce estão atrasos na entrega (61%) seguido de extravios (27%) e por fim furtos e roubos (12%).

Com isso podemos ver que transporte e logística são pontos fundamentais para quem pretende ingressar no mercado de vendas online, ou até mesmo para quem já está e pretende modernizar sua estrutura. De nada adianta bons produtos e excelente atendimento sem um bom planejamento de logística. O frete grátis, política utilizada pela maioria dos lojistas é uma arma poderosa quando bem utilizada, mas não deverá ser o ponto de apoio de toda a estratégia competitiva de quem quer se sobressair, pois muitos lojistas acabam adotando esta forma só porque o concorrente faz e esquece de analisar se tem viabilidade econômica para isso. Portanto, antes de conceder o frete grátis veja se sua margem de lucros permite e, principalmente, estude a concorrência e encontre pontos em que pode se sobressair, tais como agilidade, segurança e comprometimento com o cliente e talvez adotar o frete grátis com o intuito de conquistar mais clientes, não seja necessário.

Fonte da pesquisa: http://www.abcomm.org/noticias/pesquisa-logistica-no-e-commerce-brasileiro/